Ministro da Justiça e governador paulista falam de Miguel Reale

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, lamentou a morte do jurista Miguel Reale, aos 95 anos, ocorrida nesta madrugada, em São Paulo. "O professor Miguel Reale é um dos mais importantes vultos da história do direito e da filosofia do direito no Brasil", disse o ministro por meio da assessoria. "Tive a alegria de ser seu aluno e conviver com uma inteligência poderosa, a serviço de um invariável dedicação ao bem comum".O governador de São Paulo, Claudio Lembo, disse que Miguel Reale foi "uma grande figura, um grande jurista e, acima de tudo um homem exemplo de dignidade, respeito e esforço e valores muito profundos". Lembo destacou que Reale foi sobretudo um militante político que teve a oportunidade de navegar por muitas correntes do pensamento. "Foi um homem completo", afirmou o governador, que permaneceu por cerca de 30 minutos no velório do jurista, em São Paulo.O ex-ministro das Relações Exteriores Celso Lafer ressaltou que o jurista Miguel Reale imprimiu uma leitura própria ao novo Código Civil. Lafer destacou como exemplo que o princípio da boa fé constante no Código resulta da leitura que Reale faz sobre a realidade jurídica, "que é ao mesmo tempo norma e realidade social consagrada pelo Direito".Lafer é o atual responsável pela disciplina de Filosofia do Direito, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. "Era um extraordinário professor, tinha uma visão plural do mundo e revelou o brilho de sua inteligência em todas as áreas em que atuou", disse Lafer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.