Ministro da Justiça diz que Erenice está 'tranquila'

O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, contou ter conversado hoje com a ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, e avaliou que ela estava "tranquila". "Até agora nada aponta para o envolvimento da ministra em suposto tráfico de influência", disse. "A Polícia Federal (PF) vai apurar todos esses fatos narrados nesses últimos dias e, durante a apuração, a verdade vai surgir de forma mais incisiva", acrescentou.

CAROL PIRES, Agência Estado

14 de setembro de 2010 | 19h02

Segundo Barreto, Erenice demonstrou "interesse na apuração, na verdade desses fatos". A declaração do ministro ocorreu hoje durante entrevista a jornalistas, quando anunciou que a PF abrirá inquérito para investigar denúncias de que Israel Guerra, filho de Erenice, teria feito "lobby", em troca de propina, para beneficiar empresas privadas. A ministra, porém, não é alvo do inquérito. Por ter foro privilegiado, Erenice só pode ser investigada com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF).

Barreto não informou qual o prazo que a PF tem para investigar o caso. "Neste momento inicial, é muito difícil prever esse prazo", disse o ministro, para informar que as investigações chegarão a uma conclusão "o mais rápido possível". Ele explicou que a investigação será focada na atuação de Israel, de advogados e de empresas envolvidas no caso. "O fato narra a atuação de pessoas, não narra diretamente a atuação da ministra em nenhum fato envolvendo esses aspectos", disse o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.