Ministro da Justiça cria força-tarefa para Serra Pelada

O ministro da Justiça, Paulo de Tarso Ribeiro, determinou nesta terça-feira em Belém a criação de uma força-tarefa para acompanhar a situação do garimpo de Serra Pelada. Uma das principais atividades dos integrantes desta força será apurar a morte do ex-presidente do Sindicato dos Garimpeiros de Curionópolis e ex-presidente do PPS naquele município, Antônio Clênio Cunha Lemos, assassinado com cinco tiros em um crime por encomenda, no dia 16 de novembro passado. A força-tarefa contará com a participação da área de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Polícia Federal e a Secretaria de Defesa Social. A decisão do ministro foi tomada durante reunião da qual participaram o superintendente da Polícia Federal, Geraldo Araújo, o vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Belém e presidente do PPS no Estado, Arnaldo Jordy, e a deputada estadual reeleita pelo PC do B, Sandra Batista. De acordo com o vereador Arnaldo Jordy, embora o ministro tenha pouco mais de uma semana no cargo, ele foi sensível ao problema de Serra Pelada, demonstrando preocupação com o desenrolar dos acontecimentos em Curionópolis depois da morte de Antônio Clênio. "Ele prometeu repassar para o novo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, todas as informações sobre o acompanhamento do caso no âmbito do Ministério da Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.