Marcos Miatelo
Marcos Miatelo

Ministro da Justiça bate boca com ruralistas em reunião sobre conflito no MS

José Eduardo Cardozo ouviu 'não tenho medo de você' de fazendeira da região onde há disputa de terras com indígenas

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

02 de setembro de 2015 | 19h42

São Paulo - Em uma reunião tensa com produtores rurais do Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira, 2, onde fazendeiros e indígenas disputam a posse de uma área no município de Antônio João, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, bateu boca com produtores rurais e ameaçou considerar crime, sujeito a investigação da Polícia Federal, qualquer tipo de incitação à violência na região.

Segundo relatos de pessoas que participaram da reunião com Cardozo, o governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), fazendeiros e o comando do Exército, Cardozo disse que o governo não admitiria mais violência quando uma produtora rural o interrompeu. "Não tenho medo de você", disse ela ao ministro.

Cardozo respondeu no mesmo tom. "Você não deve ter medo de mim, mas da lei".

Veja trecho do bate boca com o ministro na reunião:

A fazendeira continuou tentando interromper o ministro que, então, ameaçou usar a Polícia Federal para impedir incitações à violência.

"Neste momento qualquer manifestação de incitação será vista como crime e objeto de investigação. A Polícia Federal está orientada neste sentido. Não entrem neste tipo de postura. Ou pacificamos ou não há conversa. A lei será cumprida. Se a senhora continuar neste tom em encerro a reunião. Não aceito qualquer tipo de ameaça", disse Cardozo.

A região conhecida como Ñande Rú Marangatú, na fronteira com o Paraguai, é palco de disputas há mais de três décadas. Desde 1983, pelo menos três lideranças indígenas foram mortos no local. O último deles foi o líder Guarani Kaiowá Simão Vilhaça, encontrado com um tiro na cabeça no último final de semana.

O espaço foi demarcado e homologado pelo governo como terra indígena, mas em 2005 o Supremo Tribunal Federal concedeu uma liminar caçando a decisão do governo. Nas últimas semanas os Guaraní Kaiowá, liderados por Vilhaça, decidiram invadir a área. Os fazendeiros da região reagiram tentando expulsar os indígenas à força. Desde então a Força Nacional está na região.

Depois do bate-boca com os produtores rurais, Cardozo se reuniu com lideranças indígenas. No domingo o ministro foi alvo de hostilidades de manifestantes anti-petistas quando caminhava pela avenida Paulista.

A Federação dos Agricultores do mato Grosso do Sul (Famasul) foi procurada para comentar o caso mas até 19h30 nenhum representante da entidade foi encontrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.