Ministro da Educação defende Arruda

Mesmo sem ter assistido ao pronunciamento do senador José Roberto Arruda (PSDB-DF), o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, defendeu a permanência do ex-líder do governo no PSDB e no Senado. "Nós não podemos prejulgar. Eu não assisti nem ao discurso do senador nem ao depoimento (da diretora do Prodasen, Regina Célia Borges), mas acho que tem que haver um processo normal de defesa e de julgamento. Enquanto ele não está julgado não há por que afastá-lo, nem do partido nem da senadoria."Paulo Renato disse não acreditar que o escândalo no qual estão envolvidos Arruda e o ex-presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), além das denúncias contra o atual presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), chegue a comprometer a aliança governista para a eleição de 2002. O ministro afirmou que os culpados devem ser punidos, mas é contra a instalação da CPI da corrupção.A expulsão de Arruda do partido vem sendo cogitada por algumas lideranças regionais, como o presidente do PSDB de São Paulo, Édson Aparecido, como forma de evitar mais desgaste para o partido e para o governo federal. Paulo Renato classificou como "coerente" o afastamento de Arruda da liderança do governo no Congresso e disse que o assunto agora é um "problema interno" do Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.