Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Ministro da Defesa vê 'carência de investimentos' nas Forças Armadas

O atual orçamento destinado aos militares é escasso e não condizente com as necessidades do Brasil, segundo o general Joaquim Silva e Luna

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2018 | 11h00

RIO - O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, afirmou neste sábado, 25, que os recursos disponíveis às Forças Armadas "ainda são insuficientes para cuidar da nossa soberania". A declaração foi dada a bordo do Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico, maior navio da esquadra brasileira. O equipamento chegou hoje ao Rio de Janeiro, após ser adquirido junto à marinha britânica por 84 milhões de libras (R$ 443 milhões na cotação atual).

"(As Forças Armadas) continuam carentes de investimento, se considerar a nossa necessidade. O Brasil é um País como um continente, não há como abrir mão dessa percepção", afirmou Silva e Luna, que é general da reserva do Exército.

"Considerando a riqueza, nossa Amazônia Azul (área da costa brasileira equivalente à Amazônia) aqui dentro, que é a nossa principal área de deslocamento da nossa economia, com cabos submarinos, transporte marítimo, (a aquisição do navio) era uma necessidade a ser preenchida", continuou Silva e Luna.

Para o ministro, não há como "cuidar da nossa soberania" com o atual orçamento das Forças Armadas. "Os recursos orçamentários ainda são insuficientes para a nossa riqueza, para cuidar da nossa soberania. Esse esforço do governo tem sido feito, mas esse investimento em recursos de defesa e soberania ainda são insuficientes, considerou ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.