João Mattos
João Mattos

Ministro da Defesa espera que Cunha mantenha 'institucionalidade' da Câmara na volta do recesso

Com retorno dos trabalhos legislativos, Jaques Wagner diz que rompimento do presidente da Câmara com o Planalto não deve transformar a Casa em 'bunker da oposição' e que papel do deputado é manter o 'equilíbrio'

Ricardo Brito, Rafael Moraes Moura e Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

03 de agosto de 2015 | 13h13

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Jaques Wagner, afirmou nesta segunda-feira, 3, se preocupar que se mantenha a "institucionalidade" da Câmara dos Deputados, mesmo com o rompimento do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com o governo. "Eu acho estranho se a Presidência da Câmara dos Deputados se transformar num bunker organizador da oposição", disse ele, em entrevista coletiva após a reunião da coordenação política comandada pela presidente Dilma Rousseff.

Para Wagner, que destacou o fato de ter sido deputado federal por 12 anos, o importante é que o presidente da Câmara tenha um "papel de magistrado" na volta dos trabalhos legislativos, hoje, mantendo o "equilíbrio da Casa". "A única expectativa que eu tenho, como ex-parlamentar, é que essa institucionalidade seja mantida", disse ele, ao reforçar que Cunha, mesmo rompido com o governo, não permita que haja uma "evasão" da institucionalidade.

Renan. O ministro fez questão de ressaltar a relação que o Palácio do Planalto tem mantido com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Reportagem do Estado ontem apontou que o governo aposta em Renan e no Senado para debelar a crise política, inclusive com a tentativa de esfriar a deflagração de um processo de impeachment.

Segundo Wagner, Renan é um homem que "estava e continua se declarando da base do governo", ao contrário de Cunha. "Então, a relação com ele tem momentos de mais ruído, menos ruído, mas é uma relação que está caminhando normal", disse.

O ministro afirmou não achar positivo estimular um contraponto entre os presidentes das duas Casas Legislativas. "Não acho positivo estimular mais guerra em um ambiente conflituoso. Quem é governo, quer paz", afirmou.

Sem dar detalhes, Wagner e o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, disseram que a maior parte da discussão na reunião de coordenação política girou em torno de propostas que estão na pauta da Câmara e do Senado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.