Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Ministro da Casa Civil vira adido do Exército, no primeiro passo antes de ir para a reserva

Decisão do general Braga Netto de antecipar a aposentadoria ajuda na narrativa de que a instituição é de Estado e está fora das discussões políticas

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 10h52

BRASÍLIA - Recém-empossado como ministro da Casa Civil, o general Walter Braga Netto deu o primeiro passo para a sua aposentadoria das Forças Armadas. Nesta sexta-feira, 27, o Diário Oficial da União traz a sua transferência para situação de adido ao Estado-Maior do Exército, uma etapa burocrática. Como mostrou o Estado, após aceitar assumir a pasta no governo de Jair Bolsonaro, o militar decidiu antecipar sua ida para a reserva.

Braga Netto assumiu a Casa Civil no dia 18, no lugar de Onyx Lorenzoni, deslocado para o Ministério da Cidadania. O general completaria quatro anos no posto de general de Exército em 31 de julho e, pelo Estatuto dos Militares, cairia na “expulsória”. O termo é usado na caserna quando o militar tem de pedir sua transferência obrigatória para a reserva.

Ao pedir sua aposentadoria, o general se afasta do Exército e ajuda a narrativa de que a instituição é de Estado e está fora de discussões políticas. No Alto Comando, há uma preocupação com a possibilidade de se misturar Exército com governo. Oficiais insistem em deixar claro que este não é um governo militar, embora o presidente Jair Bolsonaro seja um ex-capitão do Exército. Além disso, o vice-presidente Hamilton Mourão também é general e vários ministros são oriundos das Forças Armadas.

Com a saída de Braga Netto, as promoções de 31 de março terão duas vagas de general quatro estrelas, o mais alto posto da Força. A primeira, do general Geraldo Antonio Miotto, atual Comandante Militar do Sul, será ocupada por Fernando José Sant'Anna Soares e Silva, designado para o Comando Militar do Oeste, em Campo Grande (MS). Para o lugar de Miotto, em Porto Alegre, vai o general Valério Stumpf Trindade, que deixará a Secretaria de Economia e Finanças do Exército.

A segunda vaga de quatro estrelas das promoções de março ficará com o general Eduardo Antonio Fernandes. Ele vai para o comando Militar do Sudeste, em São Paulo, no lugar do general Amaro.

Tudo o que sabemos sobre:
Walter Braga NettoJair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.