Ministro da Agricultura garante parceria com agroindústria

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues, afirmou neste sábado que o setor da agricultura terá prioridade no governo Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com Rodrigues, até agora o setor não havia encontrado correspondência política nem vinha sendo reconhecido, apesar de representar mais de 1/4 do PIB nacional e ser responsável por 1/3 da geração de empregos e 1/2 das exportações no país. "Vamos criar no Brasil um modelo lastrado em três ´Ds´: desenvolvimentista, distributivista e democrático", garantiu Rodrigues. O esforço de desenvolvimento do setor será feito em parceria e articulação junto aos governos estaduais e municipais, entidades de classe e poderes executivo e legislativo, segundo o ministro. Eleressaltou ainda a necessidade do fortalecimento de órgãosde pesquisa, como a Embrapa. "O setor foi responsável pelo maior ajuste e conseguiu gerar competitividade que resultou num saldo comercial de US$ 20 bilhões em 2002 e, podemos superar os US$ 22 bilhões este ano", disse Rodrigues. "O Brasil voará para o primeiro mundo até o final do governo Lula nas asas do setor mais competitivo e eficiente do país, que é o do agronegócio", completou. Já, o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), José Olavo Borges Mendes, demonstrou preocupação quanto aos conflitos no campo com o MST."O campo também clama por paz", disse Mendes, fazendo uma referência à guerra e em protesto quanto ao radicalismo que, segundo ele, "não condiz com os propósitos do nosso povo e é absolutamente desnecessária". Ele disse que o desrespeito ao proprietário rural, com a invasão de propriedades, não é somente o direito do indivíduoque está sendo desrespeitado, mas também uma afronta ao estado de direito, a democracia e a paz social. Mendes colocou a ABCZ à disposição do governo federal.Segundo Mendes, a entidade pode ajudar nas questões deimplementação de ações conjuntas direcionadas para o desenvolvimentoeconômico e social do campo, com enfoque social na regiões do semi-árido e dos assentamentos, além da agricultura familiar. Mendes pediu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva ajuda para promover umfórum mundial de produção de alimentos, reunindo pesquisadores, empresários e estudiosos de diversos países. Mendes entregou ao presidente Lula um termo de doação no valor de R$ 430 mil - que serão arrecadados ao longo de 14 meses em leilões de gado -, para o programa Fome Zero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.