Ministro da Agricultura diz ter usado jatinho particular 'em raras ocasiões'

Reportagem indicou que Wagner Rossi e seu filho, o deputado estadual Baleia Rossi, usariam o avião de empresa ligada ao agronegócio para viagens particulares

Venilson Ferreira, da Agência Estado

16 de agosto de 2011 | 15h35

BRASÍLIA - O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, divulgou nesta terça-feira, 16, nota de esclarecimento sobre denúncias publicadas no jornal Correio Braziliense, segundo as quais ele e um de seus cinco filhos, o deputado estadual Baleia Rossi (PMDB-SP), utilizam um jatinho pertencente à empresa Ourofino Agronegócios para viagens particulares. Na nota, Rossi informa que "em raras ocasiões" utilizou "como carona o avião citado na reportagem" e descarta favorecimento à empresa.

A reportagem relata que a Ourofino, sediada em Ribeirão Preto (SP), cidade onde mora o ministro e a família, teria recebido autorizações do governo no ramo de patentes e registrou crescimento de 81% devido à inserção da firma na campanha de vacinação da pasta contra a febre aftosa.

Na nota divulgada no site do Ministério da Agricultura, Rossi esclarece que o processo de autorização para que a empresa Ourofino Agronegócios pudesse produzir o medicamento Ourovac Aftosa iniciou-se na pasta em setembro de 2006. "Antes, portanto, da minha gestão à frente da pasta e de minha participação no governo".

Rossi declara que ao longo de quatro anos os procedimentos técnicos que culminaram na autorização para fabricação do produto veterinário foram cumpridos rigorosamente. "A aprovação, liberação e licença para abertura da fábrica, por exemplo, ocorreram em março de 2009. Nessa ocasião, eu não era ministro da Agricultura".

O ministro afirmou que, "diferentemente do que insinua a reportagem", a Ourofino não foi a única a receber a autorização. "Também a Inova Biotecnologia (MG) recebeu licença do governo, em outubro de 2010, para fabricar a Aftomune, como é chamada a vacina contra a febre aftosa daquela empresa. No mesmo período em que a Ourofino foi licenciada".

Rossi comenta na nota que até 2009 apenas seis empresas, sendo cinco multinacionais, tinham autorização do governo para produzir e comercializar a vacina contra a febre aftosa no Brasil. "Empresas nacionais, como a Ourofino e a Inova, conseguiram o status oficial para a produção do medicamento veterinário. A decisão, técnica, teve como objetivo abrir o mercado. Além dessas duas, também a empresa argentina Biogenesis obteve, em 2009, autorização para a produção da vacina". O ministro argumenta que "as três empresas têm reputação no mercado e cumpriram todos os pré-requisitos, sem privilégios ou tratamento especial". Ao final da nota, Rossi informa que "em raras ocasiões utilizei como carona o avião citado na reportagem".

Tudo o que sabemos sobre:
denúnciaAgriculturajatinhoRossi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.