Ministro culpa tucano por ser alvo de denúncias

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, acusou o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) de estar por trás das denúncias feitas pela ex-assessora financeira do PT em Londrina, Soraya Garcia, de que o ministro participaria de um esquema de caixa 2 durante campanha eleitoral, envolvendo a empresa Itaipu. "Eu não conheço essa senhora Soraya Garcia. Acredito que ela está sendo instrumentalizada pelo deputado Luiz Carlos Hauly. Diante da insistência dela em fazer essa denúncia, a única alternativa que resta é um processo", disse.Perguntado sobre qual seria o interesse de Hauly em atacar Menezes, Bernardo disse que o deputado tem mágoa por um episódio na campanha de 2004. Segundo o ministro, o parlamentar, então na eleição daquele ano, ficou em terceiro lugar na disputa para a Prefeitura de Londrina. Na época o PT o procurou para pedir apoio ao seu candidato no segundo turno. De acordo com o ministro, Hauly propôs "vender" o apoio por R$ 500 mil,em duas parcelas. A primeira de R$ 250 mil, quando o compromisso fosse firmado e a segunda após a campanha.Segundo Bernardo, a oferta foi recusada, porque a campanha do PT não tinha dinheiro e também porque não considerava a prática correta. Bernardo destacou que a proposta feita por Hauly não inclui o PSDB, já que boa parte dos tucanos apoiou o candidato petista. O ministro disse considerar também estranho o fato de Soraya Garcia ter sido convocada na CPI dos Bingos e no dia seguinte já ter sido convocada para depor. "Parece que já estava tudo acertado, inclusive as passagens compradas", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.