Ministro critica proposta de anistia

Celso de Mello acha ?inadmissível? plano de deputados de votar projeto para driblar eventual decisão do STF

Felipe Recondo e Luciana Nunes Leal, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

05 de outubro de 2007 | 00h00

A ameaça do Congresso de votar um projeto para anistiar os deputados que mudaram de partido, uma forma de driblar o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de que os mandatos pertencem ao partido e não ao parlamentar, foi rechaçada pelo ministro Celso de Mello, antes do julgamento de ontem."É absolutamente inadmissível qualquer ensaio de resistência por parte de qualquer órgão estatal a uma decisão judicial, especialmente quando proferida pela mais alta Corte de Justiça do País", disse. "Não há nenhum tribunal superior ao Supremo Tribunal Federal. Trata-se da Corte suprema em matéria de jurisdição constitucional. Quem tem o monopólio da última palavra é o Supremo e ninguém mais", acrescentou.Apesar das críticas severas, o ministro adotou tom diplomático ao dizer que o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), cumpriria qualquer que fosse a decisão do STF. "O presidente da Câmara tem se mostrado uma pessoa altamente responsável, um homem muito prudente, que tem demonstrado respeitar não só as decisões judiciais, mas o que é básico e fundamental: tem respeitado a Constituição Federal", concluiu.Com a decisão de ontem do STF de deixar a cargo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a definição da cassação dos mandatos, os deputados abortaram a idéia. Quem trocou de partido terá a chance de se defender no TSE e manter seu mandato. Bastará provar ao tribunal que foi perseguido politicamente ou que trocou de sigla porque houve mudança de posição ideológica na legenda pela qual se elegeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.