Ministro ataca PSDB por questão de redução de energia

Seguindo o tom adotado pela presidente Dilma Rousseff contra a oposição, petistas atacaram os tucanos que atrapalharam os planos do Planalto de reduzir o preço da energia para a população em 20% e deixaram claro que a luta, agora, é política. "Não fomos nós que partimos para cima dos tucanos. Eles é que vieram para cima da gente. Agora é assim: bateu, levou", avisou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel.

TÂNIA MONTEIRO E VERA ROSA, Agência Estado

06 de dezembro de 2012 | 16h00

"Como é que um partido experiente como o PSDB resolve, nesse debate, ficar com o mico de ser a grande resistência à implantação do plano de redução de tarifas e um novo modelo do setor elétrico, que é fundamental para a retomada do crescimento. E pior, pega este mico e coloca no ombro de seu candidato à Presidência", ironizou o governador de Sergipe, o petista Marcelo Déda.

A declaração de ambos foi dada após a cerimônia de lançamento de plano de reestruturação do setor portuário do País, quando a presidente Dilma dedicou parte de seu discurso a criticar os tucanos, pelo segundo dia seguido, mas sem citá-los.

Ao prosseguir criticando os tucanos, Marcelo Déda disse que a oposição erra em seu discurso, confundindo oposição ao governo, com oposição ao País. "Deus nos ajuda mais escolhendo nossos inimigos, do que recrutando nossos amigos", comentou Déda, acrescentando que "o PSDB podia caçar onça, elefante, ou qualquer outra coisa, mas caçou um grande mico".

O governador Marcelo Déda classificou a atitude do PSDB como de um partido que tem uma "visão estreita". Ele disse ter ficado surpreso como político com a atitude dos tucanos de ficarem contra um benefício para a população de reduzir a conta de luz em 20%. "Um tema como esse, que é de interesse nacional, que toca nas famílias brasileiras, que dialoga com os empresários brasileiros, não pode ser criticado", observou.

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAREDUÇÃOPOLITIZAÇÃOPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.