Ministro adverte MST sobre invasões; Planalto fará avaliação

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, disse neste domingo que o Movimento dos Sem-Terra (MST) pode reivindicar e protestar, desde que respeite os limites da lei."Vivemos em um Estado de Direito, reconhecemos o direito de reivindicar e protestar, mas nada fora da lei", afirmou o ministro ao ser questionado sobre as invasões de fazendas ocorridas no final de semana e as ameaças de fim da trégua por parte de integrantes do MST.O governo deve fazer na segunda-feira, no Palácio do Planalto, uma reunião de avaliação das últimas invasões e da promessa do MST de acirrar a ocupação de terras, informou uma fonte oficial.Os episódios recentes preocupam o governo federal, que já esperava, contudo, um aumento no número de invasões às vésperas do oitavo aniversário do massacre de Eldorado de Carajás, em 17 de abril.Segundo garantiu um integrante do Executivo, o governo tratará o assunto nos termos da lei. ?Não haverá benevolência com o MST?, afirmou.O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, e o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Rolf Hackbart, não se manifestaram sobre os últimos acontecimentos. Rossetto está no Paraguai de onde retorna na noite deste domingo.O MST reclama da lentidão do Executivo na condução da reforma agrária e ameaça pedir mudanças na equipe do Ministério do Desenvolvimento Agrário. A meta dogoverno para este ano é assentar 115 mil famílias.No entanto, até o dia 10 apenas 4.112 famílias tinham sido assentadas."Temos recursos assegurados e a reforma agrária é uma prioridade do governo", garantiu Rossetto no início do mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.