Ministro admite que valores pagos pelo SUS estão defasados

O ministro da Saúde, Humberto Costa, admitiu que os valores pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para procedimentos feitos em hospitais particulares e filantrópicos estão defasados. Embora admita a necessidade de reajustar a tabela, Costa afirma que o setor não pode esperaratitudes rápidas nesta área. ?Acabamos de assumir, é preciso fazer um estudo para vero que permite o orçamento.?O ministro reconheceu que o valor do teto do SUSrepassado para Estados e municípios também precisa ser revisto. Um estudo financeirosobre o assunto está sendo feito. As primeiras conclusões devem ficar prontas em fevereiro.O valor defasado da tabela do SUS é apontado como um das principais causas da recente crise no setor hospitalar. Levantamento feito pela Federação Brasileira de Hospitais (FBH), divulgado nesta quarta-feira pelo Estado, revela que nos últimos dois anos, 30% dos leitos de hospitais privados e filantrópicos foram desativados. Em média, cada hospital acumula dívida correspondente a seis meses de seu faturamento.?Não sabemos quando e em quanto vamos aumentar a tabela, mas é certo que isso será feito?, adiantou o ministro. Outro problema que com freqüência é apontado pelas entidades filantrópicas diz respeito ao teto de repasse do SUS para Estados e municípios. A cada um, é fixado um limite de gastos para internação hospitalar.Essa limitação também é imposta para hospitais conveniados com o SUS. Quando o limite é ultrapassado, os procedimentos realizados não são pagos. Por essa razão, instituições que não recusam pacientes, como a Santa Casa deMisericórdia de São Paulo, muitas vezes acabam trabalhando de graça. ?O aumento do teto é uma reivindicação de Estados e municípios. Mas precisamos primeiro ver a disponibilidade financeira?, disse Humberto Costa.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.