Ministra Maria do Rosário lamenta morte de líder do MST

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Maria do Rosário, divulgou na uma nota lamentando a morte do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Cícero Guedes dos Santos, em Campos dos Goytacazes, no norte do Estado do Rio de Janeiro. Ele foi morto a tiros na madrugada de sábado, dia 26.

AE, Agência Estado

27 de janeiro de 2013 | 11h38

A ministra entrou em contato com a esposa de Cícero, Maria Luciene, e prestou seus sentimentos. Falando em nome do governo brasileiro, Rosário disse que Cícero "merece a gratidão do país por dedicar sua vida à causa da reforma agrária e da justiça social".

"A situação de disputa fundiária na região entre Campos dos Goytacazes e São João da Barra tem sido agravada pela morosidade na tramitação de processos judiciais que envolvem imóveis considerados improdutivos e, portanto, passíveis de desapropriação para a reforma agrária. O caso específico da ocupação liderada por Cícero é bastante ilustrativo: o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária havia determinado, há 14 anos, a desapropriação das fazendas que compõem a Usina Cambahyba. Mas só em agosto de 2012 a Justiça autorizou que a autarquia federal desse prosseguimento à desapropriação dos imóveis", afirmou a ministra na nota.

Como presidente do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, a ministra indicou Wadih Damous, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB RJ), para acompanhar as investigações no local. O líder do MST morava desde 2002 no assentamento Zumbi dos Palmares e deixou, além da esposa, cinco filhos. O caso está sendo investigado pela 134ª DP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.