Ministra lamenta falta de mulher disputando chefia do PT

A ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, avaliou neste domingo ser um "problemaço" o fato de nenhuma mulher estar concorrendo à presidência nacional do Partido dos Trabalhadores (PT). Ainda assim, considerou que o pleito realizado hoje é um exemplo para todos os demais partidos.

EDUARDO RODRIGUES, Agência Estado

10 de novembro de 2013 | 14h29

Segundo Eleonora, o presidente que será eleito hoje terá uma grande responsabilidade ao ter que coordenar a campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição em 2014. "O presidente do PT tem que trabalhar para reorganizar o partido e mostrar que o PT não se distanciou dos movimentos sociais. Discordo que o governo tenha se distanciado dos movimentos sociais. Só é uma outra forma (da presidente Dilma) de governar, diferente da do ex-presidente Lula", disse.

A ministra criticou também um dos principais adversários de Dilma em 2014. Segundo ele, o governo de Pernambuco, chefiado por Eduardo Campos, foi o único Estado a não aderir ao programa Mulher, Viver sem Violência. O programa é organizado pelo seu ministério. "Nos deram a justificativa de que já existe uma rede estadual, mas nós achamos que esta rede ainda não está consolidada. Não falo que é um boicote, mas só posso pensar que é uma questão política", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
PTpresidênciamulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.