André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Ministra defende Dilma e Temer no Twitter e diz que 'inocentes não podem pagar pelos infratores'

Para Kátia Abreu, do Ministério da Agricultura, corrupção não pode paralisar o País e condenação dos corruptos deve acontecer 'doa a quem doer'

Victor Martins, O Estado de S. Paulo

10 de agosto de 2015 | 14h40

BRASÍLIA - A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, saiu em defesa do governo e do vice-presidente, Michel Temer, como articulador político da presidente Dilma Rousseff. No microblog twitter, ela afirmou ter orgulho do cargo que ocupa e agradeceu a confiança da presidência. "Acredito na sua boa fé (da presidente Dilma) e espírito público. Tudo o que fizemos nestes seis meses no Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) foi com seu total apoio. Agradeço sua confiança", disse a ministra.

 

Kátia Abreu disse ainda acreditar na Justiça e ter convicção de que inocentes e culpados serão conhecidos de todos. "Aqueles que envergonham o Brasil serão punidos. Os inocentes não podem pagar pelos infratores. Vamos separar o joio do trigo", afirmou. Depois ela fez defesa do vice-presidente com relação aos rumores que surgiram na sexta-feira, 7, de que ele abandonaria a articulação política. "O vice-presidente Michel Temer, do PMDB, tem sido um articulador competente e leal ao governo. Vamos superar as crises, o Brasil é forte", observou.

Ela também falou sobre corrupção. "Erros precisam ser reconhecidos para avançarmos em uma agenda positiva. A corrupção não pode paralisar o Brasil. Temos um país que trabalha", argumentou. Kátia Abreu afirmou que ao Brasil e aos brasileiros interessam a condenação dos corruptos, "doa a quem doer". Temos gente muito boa no nosso País. Injustiça não", declarou. "Quem investiga, julga e pune é a Justiça. Temos que ter paciência e aguardar. É a demora da democracia. Optamos por ela e não pela barbárie", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.