Ministério Público vai investigar denúncias contra Alckmin

A Procuradoria-Geral da Justiça do Ministério Público de São Paulo abriu procedimento para investigar eventual responsabilidade do ex-governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, nas denúncias feitas a respeito dos contratos de publicidade da Nossa Caixa, em um suposto esquema de direcionamento de verbas publicitárias do banco para veículos de comunicação ligados à base aliada na Assembléia Legislativa de São Paulo. As informações são da assessoria de imprensa do Ministério Público estadual.A Procuradoria-Geral também iniciou procedimento para investigar as denúncias de que a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep), pagou R$ 60 mil, a título de "patrocínio institucional" à revista Ch´an Tao, da Associação de Medicina Tradicional Chinesa do Brasil, presidida pelo médico Jou Eel Jia, acupunturista de Alckmin.Na Promotoria de Justiça e Cidadania do Ministério Público de São Paulo foi aberto procedimento para investigar eventual responsabilidade da ex-primeira-dama do Estado Lu Alckmin no recebimento, de maneira gratuita, de mais de 400 peças de roupa do estilista Rogério Figueiredo.A mesma Promotoria investiga uma lista de 14 contratos de informatização da Nossa Caixa, no total de R$ 1,2 bilhão, sendo que alguns deles, com suspeitas de superfaturamento e de direcionamento.No final da tarde desta segunda-feira, a Promotoria da Justiça e Cidadania abriu procedimentos para investigar denúncias veiculadas na imprensa sobre a aquisição, em duplicidade, pela Nossa Caixa, de 500 fornos a gás por R$ 400 mil para doação ao programa das padarias artesanais que Lu Alckmin criou ao presidir o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo.A Promotoria está investigando ainda eventuais responsabilidades de outros supostos envolvidos nos casos de publicidade da Nossa Caixa e do pagamento da Cteep.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.