Ministério Público vai abrir novo inquérito contra Maluf

O ex-prefeito Paulo Maluf (PP) será alvo de nova investigação do Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo. Segundo o promotor Sílvio Marques, a Promotoria da Cidadania abrirá nos próximos dias inquérito civil para apurar supostas irregularidades no setor de transportes que teriam ocorrido na gestão de Maluf na Prefeitura.O inquérito se baseará na gravação de conversa entre o ex-vereador João Brasil Vita (PP) e o ex-deputado Armando Mellão, na qual Vita apontava desvio de dinheiro em compras de ônibus envolvendo Maluf e o então secretário de Governo, Edvaldo Alves da Silva. Hoje, o ex-prefeito e Vita depuseram no Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, sobre as gravações feitas por Mellão. Ele disse que era procurado por Vita e foi orientado a gravar as conversas. Nelas, supostamente, o ex-vereador lhe oferecia dinheiro para desmentir acusações a Maluf e dizer que estava a serviço dos tucanos. Em junho, Mellão acusou o ex-prefeito de desviar verbas da obra do Túnel Ayrton Senna e da Avenida Água Espraiada, atual Jornalista Roberto Marinho.No depoimento, Maluf declarou não ter conhecimento das conversas e afirmou que as gravações fazem parte de uma armação tucana. "Preocupa uma denúncia de presidiário?", indagava, referindo-se a Mellão, que foi preso em março, acusado de tráfico de influência. "Eu não conversei isso nem com o Brasil Vita e muito menos com Mellão. Como é que eu iria conversar com o sujeito ex-presidiário, delinqüente, chantagista, preso pela Polícia Federal praticando extorsão? Não conversei com ninguém."O advogado dele, Ricardo Tosto, disse que processará Mellão. Vita saiu sem dar declarações. Segundo o promotor José Reinaldo Carneiro, do Gaeco, ele confirmou que Maluf não tinha conhecimento das conversas. "Brasil Vita assume como dele os diálogos e não nega a autenticidade. Mas diz que estava vendo até onde ia o Mellão".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.