Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Ministério Público tem parte nos abusos da PF, diz Mendes

Presidente do STF culpa alguns integrantes do MPF por não fiscalizarem e coibirem a ação abusiva da PF

Mariângela Gallucci, de O Estado de S. Paulo, e Carolina Freitas, da Agência Estado,

31 de março de 2009 | 15h31

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, voltou a criticar nesta terça-feira, 31, a postura adotada por alguns integrantes do Ministério Público Federal (MPF), que no seu entender não fiscalizam a Polícia Federal (PF), mas acabam tendo parte nos abusos cometidos por essa instituição. "Muitas vezes, o próprio MPF é parte naquilo que nós dizemos (classificamos de) ação abusiva da polícia", afirmou Mendes, ao chegar para evento da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em São Paulo.

 

Veja também:

link Mendes diz que 'colocou ordem' na PF para evitar 'pirotecnia'

link De Sanctis quis desmoralizar o Supremo, diz Gilmar Mendes

 

O ministro defendeu, mais uma vez, a criação de uma corregedoria jurídica para controlar as ações da PF. E classificou a atuação do MPF como "um tanto quanto abstrata". Segundo ele, um juiz deveria exercer o controle externo da atividade policial para evitar abusos. "Os senhores sabem que esse tal controle externo do Ministério Público é algo lítero-poético-recreativo, não tem funcionado a contento", afirmou. "Haveria uma vara especial para fazer esse controle. Já estamos cansados, temos um elenco, um dicionário de abusos, sabemos mais ou menos de cor e salteado, de A a Z, o que se pode fazer em série de abusos."

No entanto, o diretor da PF, Luiz Fernando Correia, disse que o órgão não atuou de forma política na Operação Castelo de Areia. "A Polícia Federal não se moveu, não praticou nenhum ato motivado por questões partidárias ou políticas", afirmou.

 

Texto ampliado às 18h32

Tudo o que sabemos sobre:
PFCastelo de AreiaGilmar MendesSTFMP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.