Ministério Público recebe notícia-crime contra Stédile

O procurador-geral de Justiça em exercício do Rio Grande do Sul, Antônio Carlos de Avelar Bastos, recebeu ontem uma notícia-crime contra o líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Miguel Stédile, que pede a prisão do dirigente. A notícia-crime foi entregue pelo presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Carlos Sperotto, e pelo presidente da Comissão de Agricultura da Assembléia, Jerônimo Goergen (PP). Eles justificaram a ação por declarações de Stédile em Canguçu (RS). Na cidade gaúcha, o dirigente do MST afirmou que "a luta camponesa abriga hoje 23 milhões de pessoas. Do outro lado há 27 mil fazendeiros. Essa é a disputa", teria dito, segundo discurso reproduzido pelo jornal Zero Hora. O deputado entende que Stédile infringiu o artigo 286 do Código Penal, que dispõe contra a paz pública. O diretor jurídico da Farsul, Nestor Hein, disse que "em uma situação explosiva, ele coloca esse elemento de conflagração e de ódio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.