Ministério Público pede cassação de governador de SE por abuso de poder

Segundo procuradores, Marcelo Déda organizou almoço com dinheiro público e divulgou propaganda institucional

Bruno Boghossian, do estadão.com.br,

27 de dezembro de 2011 | 15h42

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu um pedido de cassação contra o governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), e o vice-governador, Jackson Barreto (PMDB), por abuso de poder político e econômico durante a campanha para as eleições de 2010. Eles são acusados pelo Ministério Público Eleitoral de divulgar propaganda institucional nos meses que antecederam a votação e de usar uma das residências oficiais do governo para pedir apoio de seus aliados, o que é proibido pela legislação.

 

O recurso dos procuradores eleitorais chegou ao TSE depois que o Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE) negou o pedido de cassação. A corte sergipana confirmou que os candidatos praticaram conduta vedada, mas alegou que o mandato deveria ser mantido, "devendo ser respeitado o princípio da proporcionalidade na aplicação da sanção". O relator do recurso no TSE será o ministro Marco Aurélio Mello.

 

O Ministério Público Eleitoral pediu a cassação em duas ações. Na primeira, contra Déda e Jackson Barreto, os procuradores acusam o governador e o vice de organizarem um almoço para 300 líderes políticos do Estado para o lançamento de suas candidaturas. O evento teria acontecido no dia 15 de maio de 2010 na residência oficial do governo e teria sido custeado com recursos públicos.

 

Em outra ação, apenas contra Déda, o Ministério Público acusa o governador de abuso de poder político devido à exposição em locais públicos do símbolo do governo - um coração estilizado. Para o órgão, o símbolo estava "fortemente ligado à pessoa do governador", o que teria beneficiado Déda. De acordo com os procuradores, a Lei das Eleições veda a veiculação de propaganda institucional nos três meses anteriores ao pleito.

 

Para o Ministério Público, a organização do almoço e exposição da propaganda institucional afetaram a igualdade de oportunidade entre os candidatos nas eleições.

 

O advogado Paulo Ernani de Menezes, que representa Déda, disse que não há irregularidade nos eventos relatados pelos procuradores. Ele confirma que o almoço na residência oficial foi financiado com recursos do governo, o que seria permitido pela lei. O advogado declarou também que não há abuso de poder na exposição de peças de divulgação de obras realizadas pela administração pública.

 

Atualizado às 16h26 e às 16h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.