Ministério Público investiga uso da apostila de Paes em escolas do Rio

Apuração se deve à utilização de um material didático de matemática que faz referência ao resultado da última eleição para prefeito

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2013 | 18h29

RIO - O Ministério Público do Rio instaurou nesta sexta-feira, 15, um inquérito civil para apurar o uso indevido de material didático pela rede pública de ensino para promoção pessoal do prefeito Eduardo Paes (PMDB) e de seus aliados políticos. A investigação se deve ao uso de uma apostila de matemática que faz referência ao resultado da última eleição para prefeito e ao jogo "Banco Imobiliário - edição Cidade Olímpica", que usa o logotipo da prefeitura e cita projetos da gestão atual, como a Transcarioca, o Museu do Amanhã e o Parque Olímpico.

A Secretaria Municipal de Educação tem 15 dias para encaminhar à 1ª Promotoria de Tutela Coletiva da Educação um exemplar da apostila de matemática usada por alunos do 6º ano do Ensino Fundamental. O Ministério Público também solicitou o nome de quem criou o material e o projeto político-pedagógico usado como fundamento para a criação dessas apostilas. Sobre o jogo "Banco Imobiliário", a Secretaria Municipal de Educação e a fabricante de brinquedos Estrela têm 15 dias para encaminhar explicações ao Ministério Público.

A Promotoria investiga se o jogo foi desenvolvido como material de propaganda da atual gestão e depois distribuído para a rede municipal de ensino como material didático, com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Outro inquérito civil sobre o jogo "Banco Imobiliário" tramita simultaneamente na 8ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Cidadania.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.