Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Ministério Público defende isonomia no tratamento aos detentos da Papuda

Documento encaminhado ao Sistema Penitenciário do Distrito Federal cita a entrada de vários parlamentares na Papuda e pede isonomia no tratamento aos internos

Débora Álvares, Agência Estado

21 de novembro de 2013 | 15h25

Brasília - O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) enviou nesta quinta-feira, 21, uma recomendação à diretoria do presídio e Sistema Penitenciário do DF para que seja seguido o princípio da isonomia no tratamento aos internos e visitantes das unidades prisionais.

Sem citar o nome dos mensaleiros presos no Complexo Penitenciário da Papuda, a Promotoria de Justiça de Execuções Penais do MPDFT relata, no documento, as informações dos veículos de comunicação sobre o entra e sai de parlamentares e visitantes na Papuda nesses últimos dias.

A Promotoria lembra que o horário de visitação do presídio é às quartas e quintas-feiras, das 9h às 15h, além de destacar que os visitantes devem passar por revista, estar com roupa apropriada e deixar aparelhos eletrônicos na entrada.

Desde segunda-feira, os petistas presos receberam visitas de advogados, familiares e parlamentares. A entrada irrestrita dos parlamentares é um entendimento do juiz da Vara de Execuções Penais, que pode ser suspensa a qualquer momento.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoPTJosé Genoino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.