Ministério Público cria força-tarefa para atuar na Zelotes

O grupo deve, inicialmente, ficar responsável por analisar os pedidos de habeas corpus e recursos apresentados pela defesa de investigados na Operação

Beatriz Bulla e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2016 | 16h56

BRASÍLIA - O Conselho Superior do Ministério Público Federal, presidido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aprovou nesta terça-feira, 1º, a criação de uma força-tarefa para atuar nos casos da Operação Zelotes que tramitam no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O grupo deve, inicialmente, ficar responsável por analisar os pedidos de habeas corpus e recursos apresentados pela defesa de investigados na Zelotes, que tramita na Justiça Federal em Brasília (DF).

A corte é responsável por julgar ações penais envolvendo governadores, integrantes de tribunais de Justiça estaduais, de tribunais de contas, entre outros.

Três subprocuradores-gerais foram designados para atuar somente na operação. O grupo será coordenado pelo subprocurador-geral da República Antônio Carlos Pessoa Lins e contará com os também subprocuradores Carlos Eduardo Oliveira Vasconcelos e Marcelo Antonio Moscogliato.

Ao levar para o Conselho Superior a decisão sobre o início dos trabalhos da força-tarefa, o subprocurador-geral da República Mario Bonsaglia destacou que a designação dos subprocuradores respeita o princípio do promotor natural, ou seja, que tem competência para conduzir as operações, e leva em conta a importância da investigação para o interesse público.

Atualmente, além de investigar a atuação de quadrilhas junto ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) para reverter ou anular multas aplicadas pelo fisco a empresas, a Zelotes também apura um suposto esquema de compras de medidas provisórias para favorecer o setor automotivo. Um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também é alvo da operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.