Ministério prepara medidas contra o fumo

Duramente criticado por ceder às pressões e tornar mais branda a legislação contra a propaganda do cigarro, o Ministério da Saúde agora vai tentar reparar sua imagem. Duas medidas consideradas o bê-á-bá na luta antitabagista, a restrição dos pontos-de-venda e o aumento do preço dos cigarros, estão sendo preparadas.O ministro da Saúde, Humberto Costa, afirmou que em breve a venda dos cigarros será limitada a alguns pontos. Entre os candidatos à proibição de venda estariam supermercados e padarias. Além disso, Costa quer apressar o aumento do preço do cigarro brasileiro, o quinto mais barato do mundo.O ministro da Saúde ainda não definiu se a restrição dos postos de venda e o aumento de preços serão feitas simultaneamente. As duas medidas podem reverter o desgaste provocado com a alteração da lei que restringe a propaganda do cigarro. Principalmente para o ministro, que, durante seu discurso de posse, prometeu ?ser implacável contra o cigarro?.A mudança foi definida em uma Medida Provisória assinada às vésperas do Grande Prêmio de Fórmula-1, em São Paulo. Com ela, carros puderam correr exibindo o logotipo de marcas de cigarro, patrocinadoras de várias escuderias. Uma exigência para que o Brasil fosse mantido no calendário de F-1. ?Para respeitar o contrato e garantir a corrida no Brasil, fizemos a alteração?, justificou o ministro durante reunião do Conselho Nacional de Saúde, em Brasília.Ele voltou a defender a atitude, dizendo que a medida provisória agora determina a exibição de alertas, pela TV, sejam eventos esportivos realizados no País, sejam no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.