Ministério nega que Tuma Júnior seja alvo da investigação

Assessoria não informa porque não respondeu questionário enviado pela reportagem do 'Estado'

04 Maio 2010 | 00h01

Procurada pelo Estado, a assessoria do Ministério da Justiça afirmou, em nota, que não há investigação nem pedido de interceptação telefônica contra o secretário Romeu Tuma Júnior, mas, sim, "trechos de conversas do secretário com um alvo da Polícia Federal".

 

"A Assessoria de Comunicação do Ministério da Justiça informa que não há, na Polícia Federal, investigação nem pedido de interceptação telefônica contra o secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, mas que trechos de conversas do secretário com um alvo investigado foram captadas pela PF, em inquérito que corre sob sigilo", limitou-se a dizer o ministério.

 

Veja também:

 

PF liga Tuma Júnior, secretário nacional de Justiça, a chefe da máfia chinesa

 

Horas antes, depois de contato telefônico informando o teor da reportagem, o Estado havia enviado 15 perguntas destinadas a Tuma Júnior e ao diretor do Departamento de Estrangeiros, Luciano Pestana. O ministério não informou a razão pela qual preferiu não responder às indagações. As conversas de Tuma Júnior e Pestana caíram na investigação porque mantinham conversas com pessoas que, como Li Kwok Kwen, estavam com seus telefones grampeados por ordem judicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.