Ministério intervém no Incra do Pará e exonera superintendente

A superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Belém está sob intervenção do Ministério do Desenvolvimento Agrário após a prisão do chefe do órgão na capital paraense, Roberto Faro, e o envolvimento de outros dez servidores com a grilagem de terras no sudoeste do Estado. Um interventor foi nomeado e os funcionários envolvidos afastados. O interventor que substituirá a Faro, exonerado, é o diretor nacional do órgão, Roberto Kiel, que assumirá o cargo na quinta-feira. "Desde a noite de segunda-feira, por determinação de sua presidência, o superintendente Nacional de Gestão Administrativa do Incra, Marcelo Cardona Rocha, foi enviado a Belém para, junto com a Polícia Federal, acompanhar o desenvolvimento da operação de combate à grilagem e corrupção no Pará. A operação resultou na prisão de 21 envolvidos, dos quais onze são servidores do Incra. Em relação a esses servidores foram tomadas as seguintes medidas: exoneração do superintendente regional e dos demais detentores de cargos comissionados envolvidos; afastamento de suas atribuições de todos os servidores efetivos envolvidos até o final das apurações; abertura de inquérito administrativo para apuração das responsabilidades, garantindo o direito de defesa aos acusados", diz nota emitida pelo órgão no começo da noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.