Ministério da Saúde proíbe 130 remédios similares

O Ministério da Saúde proibiu a comercialização e começa nesta terça-feira a retirar do mercado cerca de 130 remédios similares aos de referência e aos genéricos e destinados a tratamento de doenças de alto risco, como asma, hipertensão, epilepsia e problemas cardíacos.Segundo o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Cláudio Maierovitch, os fabricantes desses medicamentos não apresentaram ao Ministério da Saúde, no prazo exigido, resultados de testes que comprovassem sua eficácia. A lista dos 130 produtos vetados será publicada na edição desta terça-feira do "Diário Oficial" da União.Segundo Maierovitch, assim como ocorreu com os genéricos quando introduzidos no mercado depois de passar por todos os testes, os produtores dos similares deveriam ter demonstrado cabalmente que seus efeitos são idênticos aos medicamentos de referência, que não são tóxicos e que têm efeito idêntico quando ingeridos na dose adequada.Um remédio similar é diferente do genérico. Quando um fabricante lança um medicamento novo, ele tem a exclusividade da fórmula por um determinado tempo. Vencido esse prazo, qualquer outro produtor pode fabricar um remédio com fórmula e componentes idênticos, de marca diferente - é o medicamento similar, que precisa ter os mesmos efeitos do remédio original quando aplicado na mesma dose.A Anvisa está agora submetendo a rigorosos testes outros trinta medicamentos similares, também destinados a tratamento de doenças de alto risco.Veja a resolução da Anvisa e a lista de medicamentos com registro cancelado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.