Ministério da Saúde confirma que seu arquivo central foi violado

O Ministério da Saúde informou ontem, que seu arquivo central, onde está grande parte de documentos relacionados à compras e do setor administrativo, foi arrombado na noite de sexta-feira. Peritos da Polícia Federal estiveram no local para tentar encontrar pistas, enquanto que auditores do ministério irão fazer um levantamento para verificar se houve roubo de processos, principalmente relacionados à concorrências. Informações não oficiais afirmam que, na verdade, o que houve foi o furto de R$ 100 de uma funcionária. Segundo o Ministério da Saúde, depois de constatar que o arquivo havia sido violado, os seguranças isolaram o local - que fica na garagem do anexo do prédio principal - até hoje pela manhã, quando a PF foi chamada para realizar a perícia e, posteriormente, iniciar uma investigação. O caso foi registrado também na Polícia Civil e a vigilância do ministério foi reforçada para evitar novos arrombamentos."A partir deste levantamento (que estava sendo feito pela PF), auditorias especiais da Comissão de Auditoria, da Controladoria Geral da União e do Tribunal de Contas da União (TCU) poderão ser solicitadas", informou o Ministério da Saúde, por meio de nota oficial. No entanto, apesar de ter confirmado o arrombamento do arquivo, funcionários que estiveram no local afirmaram que o alvo não eram documentos, mas dinheiro de uma servidora. Ela teria perdido R$ 100 que estava em cima de um móvel. Para camuflar o roubo, diversos documentos foram espalhados pelo chão, mas peritos da PF constataram que estavam em ordem. A seguir, leia íntegra da nota: "OMinistério da Saúde informa que, na última sexta-feira, por volta das 20 horas, teve seu arquivo central violado. No local, estãoarmazenados documentos administrativos, técnicos e financeiros.Ainda na sexta-feira, assim que identificou o problema, a segurança do ministério lacrou as portas do arquivo, pôs vigilânciapermanente no local e comunicou o fato à Polícia Federal (PF) e à Polícia Civil do Distrito Federal (1ª DP). A segurança no prédio também foi reforçada.O Ministério da Saúde solicitou ainda que a PF realize perícia em seu arquivo central, já iniciada, para então fazer umlevantamento dos documentos que possam ter sido furtados ou danificados. A partir desse levantamento, auditorias especiais daComissão de Auditoria do Ministério, da Controladoria Geral da União e do Tribunal de Contas da União poderão ser solicitadas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.