Ministério da Cultura não nega saída de Gilberto Gil da pasta

Assessoria do ministro diz apenas que não há data oficial para desligamento do ministro, que está em turnê

da Redação

24 Julho 2008 | 16h13

O Ministério da Cultura confirmou nesta quinta-feira, 24, a existência de rumores sobre a saída de Gilberto Gil do comando da pasta, mas negou que haja uma data oficial para seu afastamento. Segundo a assessoria do ministro, a saída em 2008 já havia sido acertada com Lula no fim do ano passado quando Gil quis deixar o comando da pasta e voltou atrás a pedido do presidente.   A assessoria disse ao estadao.com.br, que há, sim, "ruídos dentro e fora do ministério", mas a volta do ministro ao trabalho está marcada para o dia 30 deste mês, inclusive com compromissos oficiais. Gil está fora e realizou uma série de shows na Europa. "O ministro teria combinado sua saída com o presidente Lula já há algum tempo, mas não agora na volta de suas férias. Ele tem até agenda dia 30", disse a assessoria. Fontes do Planalto afirmaram desconhecer qualquer conversa do presidente com o ministro em seu período de férias, para acertar uma eventual saída.   Não é a primeira vez que Gil manifesta insatisfação com a sua permanência na pasta. No fim do ano passado, o cantor e compositor manifestou vontade de deixar o comando do Ministério da Cultura para voltar à carreira artística, mas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conseguiu demovê-lo da idéia. À época, Gil se comprometeu a ficar mais um ano apenas. Ele está no ministério desde o primeiro mandato Lula, em 2003.

Mais conteúdo sobre:
Ministério da Cultura Gilberto Gil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.