Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

'Minha condenação é um ato de perseguição política', diz José Genoino

Para o petista, sentença da Justiça Federal foi emitida agora 'para se misturar à Ação Penal 470'

Vera Rosa, de O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2012 | 21h21

Prestes a ser julgado por formação de quadrilha no processo do mensalão, que tramita no Supremo Tribunal Federal, o ex-presidente do PT José Genoino classificou nesta quarta-feira, 17, a sentença da Justiça Federal de Minas, que na terça-feira o condenou a quatro anos de prisão por falsidade ideológica, como "um ato de perseguição política". Para Genoino, já condenado por corrupção ativa no STF, há "coincidências estranhas" envolvendo o seu nome.

 

A nova decisão judicial é resultado do desmembramento do processo do mensalão, que está em julgamento no Supremo. Além de Genoino, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e ex-dirigentes do BMG foram condenados pela juíza Camila Velano, da 4.ª Vara da Justiça Federal. Nessa ação, que correu em Minas, os empréstimos concedidos pelo BMG ao PT e às empresas de Marcos Valério, tido como operador do mensalão, também foram considerados fictícios.

 

"Se o PT tinha patrimônio e depois pagou a dívida em cinco anos, como isso é falsidade ideológica?", perguntou Genoino. "Quando deixei de ser presidente do PT, em 2005, sofri execução judicial e, como não tinha bens, minha conta chegou a ser bloqueada. Só foi desbloqueada depois que a direção do PT negociou com o BMG e acertou o pagamento do empréstimo em cinco anos, de 2007 a 2011."

 

Para a juíza, porém, houve uso de "contratos falsos" e "práticas fraudulentas" na relação entre o PT e o BMG. Ela determinou que a sentença seja enviada ao relator do processo do mensalão no STF, Joaquim Barbosa. Ministros do Supremo também viram montagem de operações fictícias para dissimular o repasse de dinheiro a parlamentares, no governo Lula.

 

"Eu entendo que a sentença de Minas só saiu agora para se misturar à Ação Penal 470", disse Genoino ao Estado, numa referência ao processo do mensalão. "Se não fosse assim, qual o objetivo de soltar essa decisão monocrática durante o julgamento do Supremo? Isso é um ato de perseguição política."

 

Genoino afirmou que a ação movida contra ele pelo Ministério Público foi acatada pela Justiça, em Minas, na noite de 17 de dezembro de 2006, véspera de sua diplomação como deputado. Com o novo mandato, ele recorreu ao Supremo, mas não conseguiu derrubar a ação. O processo tramitou no STF até 2010, porque o petista tinha foro privilegiado. Em 2011, como ele não se reelegeu, o caso foi remetido à primeira instância.

 

"Estava lá há um ano e meio, esperando uma decisão", insistiu Genoino, que entregou o cargo de assessor especial do Ministério da Defesa, na semana passada, após ser condenado pelo Supremo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.