Imagem João Domingos
Colunista
João Domingos
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mineiro administra pressões para montar novo comando do PSDB

Goldman, aliado de Serra que deve ser mantido vice-presidente do partido, diz que só aceita o cargo se

João Domingos , O Estado de S. Paulo

21 de março de 2013 | 23h40

BRASÍLIA - Sem resolver a crise de desconfiança entre os grupos de Minas Gerais e de São Paulo, o PSDB ainda tem de administrar a ameaça de cisão no partido na véspera da eleição do novo presidente, ao que tudo indica, o senador mineiro Aécio Neves. Nos bastidores, aposta-se que o atual vice-presidente da executiva nacional, o ex-governador Alberto Goldman (São Paulo), será convidado a permanecer no cargo.

Aliado de José Serra, Goldman disse nesta quinta-feira, 21, no entanto, que só aceita ser indicado para o mesmo cargo se for para formar o consenso e se houver a certeza de que a futura executiva vai de fato trabalhar e não entrar num "jogo de faz de conta". Segundo ele, "a executiva hoje não funciona como coletivo". Afirmou que no ano passado ela só fez duas reuniões e, neste, tem uma programada para a semana que vem.

O senador mineiro afirmou nesta quinta que, aos poucos, o PSDB está chegando a um consenso sobre a formação da nova executiva nacional do partido, que deverá ser comandada por ele. Lembrou que na segunda-feira terá um novo encontro com o governador Geraldo Alckmin.

Na última terça-feira, Alckmin convidou Aécio a ir até o Palácio dos Bandeirantes. De lá, os dois sairão juntos para um seminário do PSDB.

Manaus. Em outra frente de desgaste, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, ameaça deixar o PSDB caso seja aprovada a unificação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) interestadual.

Virgílio alega que a Zona Franca de Manaus seria muito prejudicada com a aprovação da proposta enviada pela presidente Dilma Rousseff porque não teria mais tarifa diferenciada.

O governador Geraldo Alckmin apoia a unificação das tarifas, sob o argumento de que ajudará a acabar com a guerra fiscal entre os Estados. Arthur Virgílio havia se estranhado com Alckmin durante a campanha eleitoral porque o governador defendeu a extinção da Zona Franca. Na época, ele também ameaçou deixar o partido.

Arthur Virgílio já foi procurado pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, também presidente do PSB, que vem trabalhando a montagem de palanques diversos nos Estados na tentativa de viabilizar sua candidatura a presidente da República. Campos conversou na sexta-feira também com José Serra, que tem comandado a resistência à passagem do comando tucano aos mineiros. Mas Aécio reagiu e foi a Serra na segunda-feira seguinte, obtendo do ex-governador a promessa de que o partido não vai rachar.

Aécio disse nesta quinta que Arthur Virgílio não sairá do partido. "Vamos conversar na semana que vem. Eu tenho certeza de que ele será um dos principais pontas de lança de nosso projeto de apresentar novas propostas para o Brasil na disputa do ano que vem", afirmou o senador.

Aécio lembrou ainda que o projeto que propõe a unificação do ICMS é polêmico e não deverá ter um desfecho rápido, porque não há consenso entre os governadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.