Minc reclama de PAC, Dilma e mais 2 ministros a Lula

Um dia após chamar os empresários do agronegócio de ?vigaristas? e de criticar indiretamente o colega da Agricultura, Reinhold Stephanes, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, virou ontem as baterias da polêmica para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e, por tabela, acertou três outros ministros - Dilma Rousseff (Casa Civil), Edison Lobão (Minas e Energia) e Alfredo Nascimento (Transportes). Ao final de uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, Minc acusou os colegas de ministério de não respeitarem acordos e fazerem jogo duplo no Congresso.

AE, Agencia Estado

29 de maio de 2009 | 07h36

?Vários ministros combinavam uma coisa aqui (com Lula) e depois iam ao Parlamento, cada um com a sua machadinha, patrocinar emendas que esquartejavam e desfiguravam a legislação ambiental.? Minc negou que tenha intenção de deixar o governo. A reportagem do Estado apurou que o presidente não gostou das novas críticas e decidiu que, ?na hora apropriada?, vai chamar Minc para conversar sobre os ataques aos colegas e ao PAC.

Em entrevista, Minc voltou a criticar ontem os ruralistas. ?Eu adverti os agricultores familiares que setores dos ruralistas que desmatam muito, têm monocultura, usam agrotóxicos e fazem queimadas estão aterrorizando os pequenos produtores para jogá-los contra as leis ambientais?, afirmou. ?Disse para eles não ouvirem esse canto da sereia, que a boa aliança deles era com os ambientalistas.?

Minc ainda comentou a reação de deputados da bancada ruralista com sua declaração de que eram ?vigaristas?. O goiano Ronaldo Caiado (DEM-GO) chegou a dizer que Minc tem ligação com o tráfico carioca. ?Fui mal interpretado por alguns parlamentares e fui ofendido por eles?, disse Minc. ?Mas estou acostumado com embate parlamentar.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ambienteCarlos MincLulaDilmaPAC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.