Minc estuda cortar recursos

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, reagiu ontem à divulgação do relatório do Greenpeace, que acusa o governo de financiar o desmatamento na Amazônia. Ele ressaltou que cortará benefícios da cadeia econômica dos criadores de gado para coibir o desmate ilegal. Minc apontou que os pecuaristas foram os únicos a não firmar um acordo com o ministério, ao contrário dos produtores de soja, madeira e minério. E que os que estiverem na ilegalidade não receberão recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). De acordo com o ministro, o BNDES não financiará frigoríficos que comprem carne de pecuaristas que estão desmatando. "Temos uma lista de 105 frigoríficos e dos fornecedores de cada um deles. Vamos ver um por um. O frigorífico é corresponsável por crimes cometidos por fornecedores. Quem comprar carne ilegal não receberá recursos do BNDES", apontou, durante lançamento do Fundo da Mata Atlântica, no Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.