Minas registra quinta morte por hantavirose em 2003

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) confirmou nesta segunda-feira a quinta morte por hantavirose no Estado neste ano. O último óbito foi registrado na zona rural de Uberaba, no Triângulo Mineiro, região que concentra o maior número de casos.Ao todo, em 2003, foram registrados 43 casos da doença em Minas, sendo sete confirmados. A SES não fornece informações sobre as vítimas fatais. No ano passado, foram registradas sete mortes por hantavirose no Estado.De acordo com a Secretaria de Saúde, a ?hantavirose é uma doença infectocontagiosa grave, transmitida, pela inalação das excretas (fezes, urina e saliva) de roedores silvestres. A doença é de alta letalidade ? cerca de 50% das pessoas que são infectadas morrem ? e ataca principalmente o pulmão, causando insuficiência respiratória aguda.Os principais sintomas são febre, mialgias (dores no corpo), dor abdominal, vômitos, cefaléias (dores de cabeça) e tosse. Segundo informações da SES, a hantavírus acomete, na maioria das vezes, ?pessoas do sexo masculino, em idade produtiva, com atividades rurais, expostas aos roedores silvestres?.Segundo o coordenador de Zoonose da SES, Francisco Lemos, o número de casos em Minas este ano pode aumentar, pois surgiu uma nova área de infecção: o sudoeste de Minas. A Secretaria informou que estruturou uma equipe treinada no Instituto Adolfo Lutz (SP) para tentar controlar a doença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.