Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Milton Ribeiro liga para Lira e diz que se explicará sobre gabinete paralelo e acusação de propina

Presidente da Câmara já havia cobrado o ministro a dar explicações sobre o caso; integrantes do Centrão tem interesse na substituição do ministro, que comanda órgão bilionário

Lauriberto Pompeu e Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2022 | 14h18
Atualizado 23 de março de 2022 | 16h18

BRASÍLIA – O ministro da Educação, Milton Ribeiro, ligou para o presidente da Câmara Arthur Lira (Progressistas-AL) e disse que vai prestar esclarecimentos ao Congresso sobre a atuação de um gabinete paralelo de pastores dentro da pasta. Ribeiro também acertou sua ida ao Senado na próxima terça-feira, 29.

O Estadão revelou que um pastor pediu propina em ouro e em dinheiro para facilitar o acesso de prefeitos ao MEC. Após a descoberta de que um “gabinete paralelo” de pastores se instalou na pasta, deputados e senadores acionaram a Procuradoria-Geral da República (PGR) cobrando apuração da improbidade administrativa e tráfico de influência.  

Parlamentares também recolhem assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) e apresentaram requerimentos para que Ribeiro se explique no Congresso.

Nesta terça, 22, o presidente da Câmara já havia cobrado do ministro explicações sobre o caso. “Ele tem que se explicar em relação a isso. Não pode haver dúvidas com relação à seriedade, tanto do trabalho do ministro, principalmente da Educação, quanto do ministério”, declarou Lira em entrevista coletiva ao chegar na Câmara.

O caso tem despertado revolta até de líderes do Centrão e da bancada evangélica, que nega qualquer vínculo com Ribeiro. Integrantes do Progressistas, partido do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira e Lira, são os que têm mais interesse na substituição do ministro. Hoje a legenda já exerce grande influência sobre a pasta e comanda o Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão bilionário do MEC. A estrutura é presidida por Marcelo Lopes da Ponte, ex-assessor de Ciro no Senado.

Ribeiro também ligou na manhã desta quarta-feira, 23, para o presidente da Comissão de Educação do Senado, Marcelo Castro (MDB-PI), e acertou sua ida ao colegiado na próxima terça, 29. Senadores querem explicações sobre a atuação de pastores para controlar a agenda e a liberação de verbas na pasta.

A comissão deve votar um requerimento nesta quinta, 24, para convocar o ministro a prestar esclarecimentos. Diante do movimento, Ribeiro se antecipou ao concordar com a ida ao Congresso, o que pode transformar a votação em um convite. Ainda assim, o Senado o pressiona a dar explicações e critica a ausência de igualdade no tratamento das políticas do ministério.

“O ministro da Educação, Milton Ribeiro, me ligou hoje pela manhã para se colocar à disposição para prestar esclarecimentos na CE. Na reunião desta quinta (24), irei colocar os requerimentos em votação e vou propor ao colegiado que o ministro seja ouvido na próxima terça (29)”, escreveu Marcelo Castro.

O caso motivou uma série de críticas ao ministro na sessão de terça-feira, 22, no plenário do Senado. Os parlamentares cobram uma investigação da atuação do ministério e dos pastores. “Recursos públicos não podem ser tratados com essa leviandade ou leveza toda”, disse Marcelo Castro no plenário. 

O senador Alessandro Vieira (PSDB-SE), os deputados Felipe Rigoni (União-ES), Tabata Amaral (PSB-SP) e o secretário municipal de Educação do Rio, Renan Ferreirinha (PSD), entraram com uma ação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ministro.  De acordo com o pedido, Milton Ribeiro teria cometido a prática de improbidade administrativa e o crime de tráfico de influência.

O caso ameaça permanência do ministro no governo. No Congresso, há críticas a privilégios dados com base em indicações de líderes religiosos, em detrimento de outros municípios. “Se esse governo fosse sério, com a matéria que tem hoje, com a gravação, ele não seria mais ministro”, disse o senador Omar Aziz (PSD-AM), também no plenário. “Há um discurso de honestidade, um discurso hipócrita, quando na realidade os porões de dentro do governo estão podres”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.