Milton Lahuerta

Coordenador do Laboratório de Política e Governo da Universidade Estadual Paulista

O Estado de S. Paulo

16 de março de 2015 | 23h59

A manifestação, por si só, não traz algo de novo. Ela expressa uma polarização que vem acontecendo desde as eleições de 2010 e que se acentuou ainda mais nas eleições de 2014.

O que o protesto do 15 de março revela é que a temperatura da fervura está crescendo, o que não é bom. Há uma crescente nesse processo que começa a se tornar preocupante. Seria interessante que as lideranças trabalhassem para construir canais de interlocução, e não para destruir esses canais. 

Há um desencantamento geral em relação à política, mas isso é centrado principalmente no governo federal. O governo cometeu um erro ao tentar organizar uma manifestação de apoio na sexta-feira anterior ao ato. Me parece que o tiro saiu pela culatra, porque serviu como estímulo para que as pessoas saíssem às ruas no domingo.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.