VALÉRIA GONCALVEZ/ESTADÃO
VALÉRIA GONCALVEZ/ESTADÃO

Militares reconhecem ‘incômodo’ com caso Coaf

General Hamilton Mourão admite inquietação com a falta de explicação do ex-assessor de Flávio Bolsonaro para a movimentação financeira considerada suspeita

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, reconheceu nesta quinta-feira, 12, que “causa incômodo” a demora de Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), em dar explicação sobre a sua movimentação financeira, considerada atípica pelo Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf). Em entrevista ao Estado, Mourão, porém, foi enfático na defesa do ex-companheiro de chapa e disse que tem “plena confiança” no presidente eleito Jair Bolsonaro e em seu filho.

Militares da equipe de transição e das Forças Armadas também têm expressado nos bastidores incômodo com a situação. Oficiais-generais ouvidos pelo Estado avaliam que Queiroz já deveria ter aparecido e explicado o R$ 1,2 milhão movimentado em sua conta no período de 12 meses. Mesmo afirmando que o caso não está diretamente ligado ao presidente eleito, esses militares acreditam que a demora numa resposta pode acabar “respingando” no futuro governo. 

O Coaf classificou a movimentação de R$1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 como incompatível com o patrimônio, a atividade econômica ou a ocupação profissional de Queiroz, que é policial militar. 

O ex-assessor parlamentar depositou no período R$ 24 mil na conta da futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro – o presidente eleito afirmou que esses recursos são parte do pagamento de uma dívida antiga de Queiroz com ele. 

O relatório do Coaf, revelado pelo Estado na semana passada, foi anexado às investigações da Operação Furna da Onça, que levou à prisão 10 deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). 

“Óbvio que toda vez que você tem de dar explicação, isso incomoda, é desagradável. Mas volto a dizer. Tenho plena confiança no presidente e no Flávio. Confio nos dois”, afirmou Mourão. “Agora é esse Queiroz. A coisa toda está centrada nele.”

Na quarta-feira, 12, o presidente eleito disse pelas redes sociais que, se tiver “algo errado” no caso que envolve movimentações financeiras do ex-assessor de seu filho, “que paguemos a conta”. Bolsonaro, no entanto, disse que nem ele nem Flávio são investigados no caso. 

Para oficiais ouvidos pela reportagem, essa situação se estenderá, no mínimo, até o início da próxima semana, quando Queiroz deve prestar depoimento ao Ministério Público no Rio de Janeiro. Em suas redes sociais e em explicações para aliados, Flávio tem se defendido dizendo que não fez nada de errado e que quer que tudo seja esclarecido para que não paire nenhuma dúvida sobre sua idoneidade. Os militares observam que a prática de reter parte dos salários dos servidores do gabinete já foi denunciada em outras ocasiões no País. 

“Sou o maior interessado em que tudo se esclareça para ontem, mas não posso me pronunciar sobre algo que não sei o que é”, escreveu Flávio em uma rede social.

Os militares que acompanham o caso dizem que o que está em jogo não é o valor, mas o princípio da campanha de Bolsonaro. Citam que a maior bandeira durante o processo eleitoral foi o fim da prática da corrupção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.