Militares estão tranqüilos sobre investigação, diz Alencar

O vice-presidente da República e ministro da Defesa, José Alencar, afirmou, no Quartel General do Exército, que as Forças Armadas estão "rigorosamente tranqüilas" com relação à investigação sobre a queima de documentos relativos à Guerrilha do Araguaia. Segundo ele, tudo será examinado, de acordo com a lei. "Fora da lei não há salvação", afirmou Alencar, ao lado do Comandante do Exército, Francisco Roberto Albuquerque. Os dois participaram da entrega da Ordem do Mérito Militar. José Alencar evitou afirmar que tenha havido uma "armação" para a eliminação de documentos relativos a Guerrilha do Araguaia, tanto na Aeronáutica, cujo caso já está sendo investigado, quanto no Exército ou na Marinha. Segundo Alencar, a forma como os documentos foram encontrados em Salvador é uma das razões pelas quais se faz necessário o inquérito policial militar, que já foi aberto."Não temos condições de fazer conjecturas. Se houver casos semelhantes, todos serão objeto de inquérito policial militar. Temos de saber quando foi, quem foi, por que foi e por ordem de quem", afirmou. José Alencar lembrou que a Guerrilha do Araguaia foi uma verdadeira "guerra" no Brasil e que os historiadores "sérios" precisam de documentos para enriquecer a história".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.