Militar uruguaio ficará preso até julgamento de extradição

A Polícia Federal (PF) informou nesta terça-feira, 27, que o militar uruguaio Manuel Juan Cordero Piacentini deve permanecer preso na sede do órgão, na capital gaúcha. Piacentini foi detido na segunda-feira, 26, em Santana do Livramento, na fronteira do Brasil com o Uruguai, sob a acusação de crimes contra os direitos humanos. O governo argentino solicitou a extradição do militar uruguaio, mas ele deve permanecer preso no Brasil até que o processo seja concluído pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Piacentini foi detido em uma delegacia da PF na cidade, ao comparecer ao local para apresentar pessoalmente um novo pedido de reconhecimento como refugiado político. A PF informou que o militar é casado com uma brasileira e teria ingressado no País em julho de 2004 por Santana do Livramento. Além disso, sua situação no Brasil era regular. Em agosto de 2005, o STF emitiu um mandado de prisão contra Piacentini, que não foi localizado. O militar uruguaio é procurado pela justiça argentina desde 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.