Milícias estendem campo de ação a bairros ricos do Rio, diz 'El País'

'El País' destaca disseminação de fenômeno das favelas para zonas ricas da cidade.

Da BBC Brasil, BBC

30 de junho de 2008 | 06h24

Uma reportagem do jornal El País destaca nesta segunda-feira o crescimento de "milícias" em bairros ricos do Rio de Janeiro.

Até então considerado um fenômeno das favelas, os "grupos clandestinos de vigilância patrulham os bairros nobres da cidade brasileira e extorquem seus habitantes em troca de segurança", diz o artigo, publicado na versão online do diário espanhol.

Segundo o correspondente do jornal no Rio, moradores de bairros como Copacabana, Leblon, Ipanema e Botafogo têm recebido cartas de grupos - que se denominam "grupos de apoio" - pedindo dinheiro para garantir a vigilância da rua.

A atividade incluiria "a localização de indivíduos suspeitos e de carros abandonados, e inclusive a aplicação, em certos casos, da justiça pelas próprias mãos".

"Algumas destas milícias, até agora desconhecidas, têm um comportamento similar ao das que atuam nas favelas, o que inclui roubos e assaltos em lugares não controlados por eles e considerados rivais", diz o jornal, "o que, ao final, também como nas favelas, não faz mais que contribuir para que aumente a violência nas ruas."

A reportagem diz que os cidadãos estão "preocupados e assustados".

"Alguns aceitam a chantagem por medo e pagam as milícias. Outros reagem e desobedecem. Em algumas ocasiões, a união de forças em determinada comunidade conseguiu paralisar a ação destes grupos clandestinos."

Entretanto, a maioria "paga e se cala".

"A polícia pede que a população colabore denunciando cada caso ou carta que receba das milícias. Mas os moradores destes bairros asseguram que as denúncias não servem para nada, porque nunca prendem os culpados e porque existe o temor de que, em muitos casos, as camadas mais corruptas da polícia estejam envolvidas."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.