Milhares de documentos do regime militar são recolhidos em RS

O Ministério Público do Rio Grande do Sul recolheu milhares de documentos do governo militar num sítio de Eldorado do Sul, na região metropolitana de Porto Alegre, nesta quinta-feira. Para carregar os papéis foram usados um microônibus e uma van. Entre correspondências, anotações e recortes de jornais do ex-ministro da Educação e Cultura (MEC) e ex-senador Tarso Dutra foram encontrados relatórios, avisos, informes e circulares do Exército e serviços de informação com carimbos de confidencial e secreto. O material estava espalhado pelo chão e pátio da casa, exposto à ação da chuva e do vento e a atos de vandalismo.O promotor Mauro Renner, que comandou a operação, disse que o destino dos documentos só será definido depois da classificação dos papéis. Os de natureza privada serão devolvidos à família Dutra. "Os de natureza pública serão encaminhados a algum órgão que tenha legitimidade para protegê-los", anunciou.Renner destacou que não houve necessidade de recorrer à Justiça para conseguir a arrecadação dos documentos, que haviam sido encontrados pela equipe do jornal Zero Hora na quarta-feira a partir de uma informação anônima. A viúva de Dutra, Maria Leontina, e os filhos Linda Alba e Paulo de Tarso não visitavam o sítio há três meses. Durante este período a casa foi arrombada por vândalos, que espalharam os papéis pelo chão. Este é o segundo lote de documentos do regime militar encontrado no Rio Grande do Sul neste mês. Na segunda-feira desta semana, a Comissão do Acervo da Luta Contra a Ditadura abriu uma pasta com documentos da época que uma pessoa, anônima, havia enviado a uma jornalista do Correio do Povo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.