Mil sem-terra invadem duas fazendas em MT

Duas fazendas - uma em Pedra Preta e outra em Tangará da Serra - foram invadidas nesta terça-feira em Mato Grosso por cerca de mil sem-terra. A direção estadual do Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) promete invadir, também, prédios públicos a qualquer momento em Mato Grosso.Cerca de 500 trabalhadores rurais estão acampados em frente às sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Cuiabá, Rondonópolis, Pedra Preta e em frente da prefeitura de Tangará da Serra.Segundo um dos líderes da coordenação estadual do MST, José da Silva, conhecido como Zezão, os trabalhadores não vão deixar os prédios públicos e as fazendas invadidas antes de receber do Incra 22 mil hectares de terra para assentar 15 mil famílias.O superintendente do Incra em Mato Grosso, Francisco José Nascimento, disse que só vai conversar com os líderes do MST na quinta-feira, às 9 horas.As mobilizações no Estado, segundo José da Silva, têm caráter reinvidicatório. "Queremos que o Incra cumpra o que prometeu no ano passado", disse ele.O MST quer a liberação de verbas para obras de infra-estrutura e alguns assentamentos, vistorias de 20 áreas, consideradas improdutivas, e a presença de técnicos do Incra para orientar projetos nos assentamentos.José da Silva denunciou nesta terça à tarde, em Cuiabá, que fazendeiros teriam contratado pistoleiros para expulsar à bala os invasores das fazendas invadidas.As polícias Civil e Militar dos municípios cujos imóveis - as Fazendas Santo Antônio do Jurique, localizada em Pedra Preta, e Portal do Grotão, em Tangará da Serra -, foram ocupados pelo MST negam a informação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.