Miguel Jorge substitui Furlan no Desenvolvimento

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desatou na quarta-feira, 21, dois nós decisivos da reforma do primeiro escalão, ao escolher o executivo Miguel Jorge para o Ministério do Desenvolvimento e o deputado Reinhold Stephanes (PMDB-PR) para o Ministério da Agricultura. Com isso, fica faltando apenas definir quem vai comandar o Desenvolvimento Agrário - no qual o atual titular, Guilherme Cassel, tem grandes chances de permanecer - e se haverá troca de guarda na Defesa - Waldir Pires pode ser substituído pelo deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP).Miguel Jorge é vice-presidente do Santander e membro do Conselho Consultivo do Grupo Estado. Jornalista, foi editor-chefe do Estado. Na quarta-feira, Jorge esteve em Brasília e, em conversa com Lula, foi convidado para assumir a vaga de Luiz Fernando Furlan. O executivo aceitou.A escolha de Stephanes deve ser confirmada oficialmente na tarde desta quinta-feira, 22, quando ele e o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (PMDB-SP), terão encontro com Lula. O chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, telefonou na noite de quarta-feira para Temer convocando-o para a audiência em companhia de Stephanes. O telefonema ocorreu 15 minutos depois de o próprio Lula ter antecipado sua escolha a um grupo de senadores do PTB, recebidos no gabinete presidencial junto com Walfrido Mares Guia, petebista que na sexta-feira, 23, assume Relações Institucionais.?O presidente disse que escolheu o Reinhold como ministro. Ele disse que ainda iria conversar com o deputado, mas que ele era o indicado e tinha a chancela do partido?, resumiu o senador Mozarildo Cavalcanti (RR), ao deixar o Planalto. ?Somos cinco senadores do PTB, estamos na base e fomos pedir para ter um relacionamento mais direto com o presidente?, completou, ao revelar o motivo da audiência.Em poucos minutos a notícia chegava ao conhecimento da cúpula do PMDB. Temer passara um dia tenso e sem qualquer contato com o Planalto, administrando pressões de ruralistas e peemedebistas de diversas alas, todos em disputa aberta pelo comando da Agricultura.A demora do presidente em apontar o nome do novo ministro, que se arrastava há três dias, acabou gerando dúvidas sobre a escolha de Stephanes na quarta-feira, embora na véspera sua nomeação fosse dada como certa.A indefinição não só mobilizou ruralistas de vários partidos, como envolveu o ex-ministro Roberto Rodrigues na briga pelo cargo e ainda pôs em confronto os governadores do Paraná, Roberto Requião (PMDB), e do Mato Grosso, Blairo Maggi (PR).?Essa demora na escolha abre espaço para o jogo de pressão porque a bancada tem vários candidatos e é natural que todos se articulem?, queixou-se o líder Henrique Eduardo Alves (RN). ?Não queremos que o presidente Lula sofra pressão, pois ele foi correto com o PMDB.?(Colaboraram Christiane Samarco e Tânia Monteiro)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.