Mídia estrangeira destaca cassação de Cunha, descrito como o líder do impeachment de Dilma

O americano Washington Post lembra que, cassado, o peemdebista perde o foro privilegiado e agora vai ser julgado por uma instância inferior do Judiciário

Álvaro Campos, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2016 | 10h26

A imprensa internacional destaca nesta terça-feira, 13, a cassação do mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), votada na noite da segunda-feira, 12 por seus pares na Câmara. A maioria dos jornais estrangeiros descreve o agora ex-deputado carioca como um dos principais líderes do processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff e todos destacam a longa lista de acusações contra ele.

"O Congresso brasileiro expulsou o legislador que liderou o impeachment de Dilma, refletindo que o sistema político continua conturbado", aponta o americano The New York Times. Já o Washington Post lembra que, cassado, Cunha perde o foro privilegiado e agora vai ser julgado por uma instância inferior do Judiciário, "vista como mais dura do que a Corte Suprema, que lidava com o caso até agora".

O argentino Clarín descreve Cunha como um ultraconservador, evangélico e profundo conhecedor dos labirintos regimentais do Congresso, acusado de ter contas não declaradas na Suíça, onde supostamente recebeu subornos milionários. "Cunha sobreviveu politicamente apenas duas semanas a Dilma Rousseff, sua feroz inimiga", aponta o periódico.

Na Europa, o caso ganhou menos destaque. Entre os sites que noticiaram a cassação, o alemão Der Spiegel lembra que Cunha "é um dos numerosos políticos e empresários que estão envolvidos no escândalo de corrupção em torno da petrolífera brasileira Petrobrás". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.