Mídia disputa com parlamento quem representa o povo, diz Sarney

O presidente do Senado, senador José Sarney (PMDB-AP), que participou do seminário "Reforma Política, perspectiva e propostas", realizado no Câmara, avaliou que há um descompasso entre a modernização das áreas econômica e social e o sistema político no País. Ele disse que o sistema de comunicação em tempo real faz com que haja uma disputa entre a mídia e o parlamento sobre quem representa o povo, se o parlamentar ou a mídia. "A mídia diz em tempo real durante todo o dia que sabe qual é a vontade do povo", afirmou Sarney. Ele completou afirmando que isso gera uma perda de legitimidade do parlamentar. O presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), defendeu a instituição do financiamento público de campanha e o fim das coligações proporcionais, propostas que constam da reforma política em discussão na Câmara. Ele falou na abertura do seminário. Segundo o deputado, o financiamento atual das campanhas eleitorais "invariavelmente termina na corrupção". Ainda segundo o presidente da Câmara, os coligações partidárias proporcionais desvirtuam a intenção do eleitor, porque permitem que um partido com votação reduzida eleja representantes se aproveitando de um partido de grande representatividade nas urnas. Apesar de Sarney e Cunha defenderem a importância da reforma política, o tema não foi incluído na pauta de convocação extraordinária do Congresso Nacional. Com isso, a comissão especial da reforma, instalada na Câmara, terá os trabalhos interrompidos neste mês. Às 18h30, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve participar, no Congresso, do lançamento do livro "Reforma Política e Cidadania", da Editora Fundação Perseu Abramo, contendo os estudos elaborados pelo Instituto da Cidadania, em 2002, quando a entidade era presidida por Lula.

Agencia Estado,

01 de julho de 2003 | 18h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.