Amanda Pupo/Estadão
Amanda Pupo/Estadão

Michelle, Onyx e Osmar Terra vão ao cinema por 50 anos do homem na lua

Primeira-dama e ministros foram convidados para a exibição do longa 'O primeiro homem'

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2019 | 19h32

Brasília - A primeira-dama Michelle Bolsonaro e os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Cidadania, Osmar Terra, assistiram juntos à uma sessão especial de cinema em homenagem aos 50 anos do primeiro pouso do homem à lua, celebrado neste sábado, 20. Eles foram convidados pelo cinema de um shopping em Brasília, que exibiu para a ocasião 'O primeiro homem', longa de 2018 estrelado por Ryan Gosling e Claire Foy que conta a história do astronauta Neil Armstrong, primeiro homem a caminhar na Lua.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na sexta-feira que não iria ao evento porque no mesmo horário o Palmeiras enfrentaria o Ceará pela 11.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

De acordo com a assessoria da presidência, a exibição do filme contou com equipamentos para pessoas com deficiência auditiva. No governo Bolsonaro, Michelle tem a inclusão de pessoas com deficiência como uma das principais bandeiras. À imprensa, a primeira-dama disse ter gostado do filme, destacando a acessibilidade. "Melhor foi a acessibilidade para os surdos", disse, em rápida conversa com a imprensa ao sair do estabelecimento.

O perfil da primeira-dama levou a uma aproximação de Michelle com a pasta comandada por Osmar Terra. No início do mês, os dois lançaram o Programa Nacional de Incentivo ao Voluntariado, Pátria Voluntária, com presença do presidente Jair Bolsonaro. Coordenada pelo Ministério da Cidadania, a ação será conduzida por um Conselho presidido pela primeira-dama. 

O programa busca incentivar a participação dos cidadãos na promoção de práticas sustentáveis, culturais e educacionais voltadas à população brasileira mais vulnerável, de acordo com o governo. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.