Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Michelle Bolsonaro evita a imprensa e se limita a comentar temas relacionados a deficientes

Primeira-dama tem evitado se pronunciar à imprensa após ter o nome envolvido nas irregularidades apontadas pelo Coaf

Julia Lindner e Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2019 | 18h56

BRASÍLIA - A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, afirmou nesta quarta-feira, 27, que vai participar de "todos" os programas sociais do governo destinados a pessoas com deficiências e doenças raras. Ao deixar a sessão solene em comemoração ao Dia Mundial das Doenças Raras, no final da manhã, Michelle evitou falar com a imprensa. A assessoria da primeira-dama deixou claro que ela não falaria com jornalistas.

Antes de entrar no carro, Michelle respondeu apenas a uma pergunta. Ao ser indagada se participará de algum programa de governo relacionado ao tema da cerimônia desta quarta, ela respondeu: "todos". Em seguida, questionada sobre quando começará a atuar, ela não respondeu.

Michelle tem evitado a imprensa desde que teve o nome envolvido no caso do ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz, envolvidos em movimentações financeiras consideradas atípicas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Como revelou o Estado, Queiroz repassou R$ 24 mil para a conta da primeira-dama. Na época, o presidente Jair Bolsonaro justificou que era pagamento de um empréstimo que ele havia feito a Queiroz e que usou a conta da mulher porque não tinha tempo para ir ao banco.

Após assumir protagonismo na posse presidencial, Michelle só voltou a participar de um evento público nesta quarta-feira, no plenário da Câmara. A mulher do ministro da Justiça, Sergio Moro, também estava presente.

Ao chegar para a sessão, a primeira-dama foi abordada por diversos parlamentares que queriam cumprimentá-la e tirar fotos. Ela sentou na mesa da presidência e fez um breve discurso na tribuna, no qual destacou a "missão" que assumiu como primeira-dama de lutar pela "conscientização profunda sobre a realidade de pessoas com deficiência".

"Essas enfermidades alteram a qualidade de vida não só dos pacientes, mas de toda família, causando dor para os raros e seus cuidadores", declarou. Ela destacou a importância de valorizar pesquisas e políticas públicas como principais eixos de atuação para auxiliar pacientes, agentes de saúde, instituições sociais e familiares. "Contem com o meu apoio, pois essa é minha luta", concluiu Michelle. Ao final, fez gestos em Libras.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, acompanhou o evento e mencionou Michelle em sua fala. Ele contou que a primeira-dama "solicitou olhar muito atento a todas as doenças raras". Ela teria solicitado um foco maior para a doença epidermólise bolhosa (EB), e por isso o ministro já teria começado a visitar organizações que atuam neste tipo de tratamento. "Devemos ampliar acesso aos curativos de melhor qualidade e com maior capilaridade em todo Sistema Único de Saúde (SUS)", disse o ministro.

No discurso em Libras feito na posse presidencial, Michele assumiu compromisso para desenvolver ações para surdos e pessoas com deficiência. No início do ano, ela também procurou o ministro da Cidadania, Osmar Terra, para iniciar um diálogo sobre o tema, mas sem especificar ações.

"Gostaria de modo muito especial de dirigir-me à comunidade surda, às pessoas com deficiência e a todos aqueles que se sentem esquecidos: vocês serão valorizados e terão seus direitos respeitados. Tenho esse chamado no meu coração e desejo contribuir na promoção do ser humano", declarou Michele na cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.